Extraordinariamente
Quando aceitamos que somos um todo
Nos libertamos das imposições dos outros
quando nos libertamos das nossas próprias imposições
Quando paramos de buscar no outro a aceitação que deve vir de de nós.
é libertador aceitar todos os nossos detalhes, que por vezes vemos como defeitos, mas se não fossem eles, seríamos apenas ordinários perfeitos, vivendo uma prospecção da frágil perfeição que se desfaz com tempo.
Ninguém é extraordinário tentando ser como o outro
O extraordinário está em ser você
O ensaio Extraordinariamente, é construído em conjunto com, registro os detalhes que fazem parte da pessoa e que por vezes consideram-se defeitos, mas que as torna extraordinária.

Por fim, como última foto do ensaio, é proposto que a pessoa escolha um objeto que represente suas crenças e que ela coloque sob seus olhos, segurando como um binóculo que molda a forma que ela vê o mundo.
Extraordináriamente por Ana Luiza Milanese
O cabelo cobre as manchas de vitiligo, as roupas as pintas pelo corpo que aparecem até mesmo na sola do pé, que por vezes passam despercebido, mas para ela são as constelações e galáxias que compõem seu ser, onde ela é seu próprio universo, é o que a torna única, além disso seus olhos na foto pois para ela:

“A nossa identidade vai muito além do nosso rosto, dos nossos olhos – ainda que sejam muito expressivos – ela deriva de todas as nossas pequenezas. Não mostrar os olhos preserva a minha identidade, me permite explorar outras coisas que me definem, muda minha relação de aversão às redes sociais e me empodera pra ser quem eu sou ou quem eu quiser ser, não o que os outros esperam de mim.”